domingo, 10 de junho de 2007

Aprender

Aprendi que:

  • não vale a pena investir em algo que a partida está condenado ao fracasso;
  • dar o nosso amor a quem não sabe aceita-lo, apenas faz crescer o vazio;
  • por vezes apenas damos valor ao que temos, quando o perdemos irremediavelmente;
  • o nosso amor é incompreendido, porque realmente não há quem esteja disposto a aceita-lo verdadeiramente;
  • o sofrimento cultiva a dor e ainda mais sofrimento;
  • a solidão esvazia-nos do conteúdo.

14 comentários:

Natacha disse...

Permite-me apenas discordar do primeiro ponto, respeitando no entanto a tua opinião e o teu sentir.
Continuo a preferir arriscar do que lamentar depois nunca o ter feito! Mesmo quando isso implica ... sofrer ...
Beijinhos

Tongzhi disse...

Investir vale a pena e é preciso!
O amor não se dá, constrói-se.
Abração

pinguim disse...

Concordo, mais ou menos, com tudo o que dizes, embora ponha, tal como o Ric, sérias reservas ao último ponto.
Mas, por outro lado, parece-me muito positivo, vindo de ti, um pessimista crónico, um ponto prévio, instintivo, que foi o titulo que puseste ao post.
Abraço forte, amigão.

Catatau disse...

- Quem espera sempre alcança.
- Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.
- Antes que cases pensa o que fazes.
- A galinha da minha vizinha dá mais ovos que a minha.
- A Esperança é a última a morrer.

Will disse...

O sofrimento pode ser uma coisa boa... não pelo que é mas pelo que nos ensina.

MrTBear disse...

cinco conclusões resultantes de uma ponderada reflexão???

é uma forma de superar as adversidades...
Concordo absolutamente com o Will

RIC disse...

Obrigado!
Um abraço!
:-)

Shadow disse...

Embora não concorde com todos os pontos, gostei do título do édito e ainda mais da linha seguinte, no Pretérito Perfeito do Indicativo - 1ª pessoa do singular. :-))

Uma boa semana para ti!
Beijinhos.

cris disse...

ás vezes é na solidão que encontramos pedaços de nós outrora repatriados nao sei mt bem para onde e que num recolhimento surgem à tona, remodelados, de arestas limadas, como o vidro que rebola na areia e vai e vem com as ondas ao longo do tempo...

nem que nessa aprendizagem se saiba e se sinta k mesmo com o tempo, aquele vidro, mesmo de arestas limadas e mais baço, terá sempre o mesmo reflexo do sol...

beijinhos

www.joaonavarro.blogspot.com disse...

Will e Mrtbear: "pelo que nos ensina"...

e na forma como nos enriquece.
Um abraço

The White Scratcher disse...

Concordo em parte com o que dizes,, mas é preciso viver e gostar das pessoas. Esta sim que é uma aprendizagem continua, a vida ensina até ao fim.

Egrégora disse...

eis o ciclo do amor unilateral...
****

lampejo disse...

Natacha, claro que vale a pena arriscar por algo que acreditamos, não foi isso que eu quis dizer.
Beijinho.

Tz, construi-se todos um dias. ;)

Amigo Pinguim, por vezes os pessimistas crónicos como eu :), têm momentos de optimismo... ;)
Abração.

Catatau, quem espera sempre alcança, nem que seja um pontapé na pança. lol.
Abraço.

Sem dúvida Will, podemos retirar grandes ensinamentos, mesmo dos maus momentos.

MrTBear, digamos que sim. Fruto da experiência dos meus anos.
Abraço.

Ric, welcome :)
Abraço!

Shadow, eu estou sempre disposto a aprender, é um dos meus lemas.
Beijinho.

Cris, a solidão permite-nos reflectir...
Beijinhos.

João, o conhecimento é sem dúvida enriquecedor...
Abraço.

Caro White Scratcher, sabias palavras... ;)

Egrégora, eu cá sou mais pelo amor bilateral...

Dogma Central disse...

Secalhar tens só mau gosto. Podes amar uma parede com toda a força, mas podes tar descansado que a parede nunca te ha-de amar de volta.