quinta-feira, 16 de agosto de 2007

<2> até quando

até quando esperar!
que a chuva caia
e molhe a minha seara.

até quando esperar!
que o sol brilhe
nesta minha eira.

até quando esperar!
que o vento leve
as folhas secas do meu jardim.

até quando esperar!
que a terra volte de novo
a germinar cheia de esplendor.

19 comentários:

Natacha disse...

A felicidade não traz livro de instruções. Mais uma vez se prova que tudo aquilo que depende da nossa livre vontade e poder de decisão é sempre o mais dificíl de alcançar ...

Mas nós chegamos lá, não é amigo?? Confiança :)

RIC disse...

Gosto do poema, meu caro! Estás cada vez mais «apurado»! Que bom!
Quanto a esperar, já sabemos que não é o melhor a fazer: se não se trabalhar a terra nada germinará a não ser ervas daninhas... Temos de dar um jeito qualquer!
Abraço! :-)

Arion disse...

Faço minhas as palavras do Ric. Abraço!

pinguim disse...

Até quando. meu caro Lampejo, ficarás tu, apenas agarrado ás belas palavras que escreves, e continuarás á espera de...Godot?
Grande abraço.

jnavarro disse...

Como visitante não me arrisco a disparar sobre o desconhecido.

Digo só... estamos cá! E, certamente, saberemos depois até quando foi...

O texto, para não variar, está bem conseguido.

Abraço amigo

Little Girl Blue disse...

Bom texto, meu caro.

Lembrei de algo que o Chico Buarque disse em uma de suas letras:

"Ouça um bom conselho
Que eu lhe dou de graça
Inútil dormir que a dor não passa
Espere sentado
Ou você se cansa
Está provado, quem espera nunca alcança"

Abraços!!!

lampejo disse...

Ai se trouxesse, como seria talvez tudo bem mais fácil, Natacha.

Havemos de chegar... :)
Beijinho!

Ric, com o tempo e dedicação vão-se aperfeiçoando certos aspectos. Obrigado. :)
Abraço!

Arion, faço minhas a mesmas palavras que escrevi ao Ric... :D
Abraço!

Até quando amigo Pinguim, esta espera infrutífera?!
Grande abraço!

Sensatas estas tuas palavras, jnavarro. :)
Abraço amigo.

Little, sensatas essas palavras do Chico Buarque. :)
Abraços!

Will disse...

Ela há-de vir. Um dia =)

ez disse...

Palavras bem escolhidas!
Um abraço!

Lover disse...

Sensível essa forma de analisar sentimentos teus, desejos de mudança, entendo! Grande abraço e um até breve, andei de férias mas espero regressar ao teu belo espaço mais vezes.

Shadow disse...

Temos poeta! Gosto (cada vez) mais de te ler :-)
Espero que esse «até quando» seja breve!

Bom fim-de-semana!
Beijinho :-)

Vieira Calado disse...

É esperar até ao Inverno...
depois virá a Primavera... and so on...
Afinal o que é que esperamos?
Bom Domingo

Egrégora disse...

até quando o negrume e a espera da paz posterior a ele?
irra que por vezes nem com candeias acesas**

jnavarro disse...

Continuamos aqui...
Mais estes dias e os próximos ;)
Grande abraço

The White Scratcher disse...

Espera que seja o teu dia,,, porque quando chegar poderás olhar para trás e pensar que valeu a pena.
Abraço

Natacha disse...

Fui de férias e voltei...

Até quando Lampejo????

Compreendo-te mas sinto a tua falta aqui!... e lá ;)

Beijo grande, espero que estejas muito bem!

Catatau disse...

Já fizeste a sementeira? ;)

Chauffeur Navarrus disse...

Para quando um novo post, amigo?
Quantos dias vão ser :)?
Grande abraço
CN

lampejo disse...

Will, que venha, mas que não seja tarde demais...

ez, são palavras sentidas.
Abraço!

Lover, é sim...
Volta sempre que quiseres.

Shadow, fico contente por saber que gostaste. Tenho andado muito ocupado e sem tempo, até lá vou me mantendo ausente.
Beijinhos!

Vieira, espero que os ventos mudem, e que o Amor me contemple...
Obrigado pela visita.

Egrégora, é verdade!
Obrigado pela visita.

jnavarro, obrigado pela simpáticas palavras.
Grande abraço para ti também.

White, Deus de ouça, amigo.
Abraço!

Natacha, voltarei assim que o tempo o permita.
Beijinho!

Amigo Catatau, a sementeira é fraca.
Abraço!

CN, assim que tenha mais tempo disponível, que é coisa que me vai faltando...
Abraço!