terça-feira, 30 de junho de 2009

"Pátria"

foi em ti, que eu cresci,
foste tu, que me criaste,
foste tu, que me colheste.

mas não foste tu, que me semeaste
nem em ti que eu floresci,
foi lá longe, lá longe,
num país que eu amo,
mas não tenhas ciúmes não
porque a ti também te amo
tanto, ou mais que a ela a amo.

tanta saudade eu sinto
por aquela que me viu nascer,
talvez um dia lá volte
p'ra poder voltá-la a ver,
mas não chores não "Pátria" amada
eu sei que em ti deixarei saudades
mas um dia eu voltarei.

1986

3 comentários:

pinguim disse...

Parece-me cheio de analogias muito pessoais e intimas, este poema; estarei enganado?
Abraço grande.

Obrigado pela ajuda; já funciona, reparaste?
Abração.

Natacha disse...

Eu também tenho outra Pátria, e sinto as duas como tal, mesmo não conhecendo a que me viu nascer...

Beijos

lampejo disse...

Está sim amigo Pinguim...
Não tens de que...
Abração!

Amiga, como nós há por aí muitas pessoas ;)
Beijinho!