terça-feira, 26 de maio de 2009

Nada mudou

Pensava eu que vindo viver para uma grande cidade como Lisboa, as coisas iriam mudar. Andava enganado, pouco ou nada mudou, a não ser profissionalmente, mas isso por si só não chega.
Dizia eu para comigo, como que me justificando pelas minhas opções, que saía pouco, porque tinha poucas opções de escolha, agora que as tenho, continuo a não sair, a deambular o meu corpo de casa para o trabalho e vice-versa e com isso os anos passam e eu não vivo, sobrevivo.
Vou conhecendo algumas pessoas validas, mas continuo com receio de me dar a conhecer na minha plenitude, por timidez, medo de me magoar e não porque seja hipócrita. Uma coisa é não falar (ser reservado), outra é ser fingido (hipócrita), e isso eu não sou. Apenas não sou extrovertido.
Por vezes perece que fujo daquilo que mais desejo. Talvez por ter medo de poder ouvir o que não quero.
Vivo só, na plenitude da palavra, cobardemente com receio de viver, receio de me "perder".

7 comentários:

Natacha disse...

Em Lisboa, na aldeia, ou na China, amigo meu... a principal mudança deve operar-se em ti. E isso não passa por deixares de ser a pessoa que és, o puro... passa por te aceitares, por confiares mais em ti, e sobretudo dares hipótese aos outros de que confiem em ti. Das coisas mais bonitas que podes querer e oferecer, é a confiança... Vais ter desilusões, certamente, todos temos, mas vais sentir-te melhor, mais leve...

Grande beijo

F3lixP disse...

Falámos disto no jantar um com o outro! É uma questão de mudança pessoal meu caro, eu tou aqui na aldeola e hoje só não me meto em mais aventuras porque não posso! Tens que te enfrentar, por exemplo o jantar, eu estava imensamente nervoso mas sabia que no fim de lá estar ficaria grato por ter ido. Desafia-te e vais ver que a par das tantas não tens é tempo para tudo o que te aparece pela frente sem teres que evocar!

Olha, este sábado vou começar as aulas de surf, lol, apetece-me ir? Não! Mas sempre quis fazer surf! ;)

Abraço e força!

Ah, outra coisa, quero-te no Arraial dia 27, encontramo-nos por lá! ;)

miguel disse...

caraças, pá, eu poderia ter subscrito este texto, palavra por palavra. até me arrepiei quando o estava a ler.
e concordo com o que disse a Natacha, aqui em cima, onde quer que a gente vá, sempre leva conocsco a bagagem que somos nós próprios.
um abraço, e os votos sinceros de que consigas dar um sentido às coisas melhor do que eu fui capaz.

Tongzhi disse...

Para haver mudança é imprescindível que a pessoa queira mudar. Afoita-te. Tenho a certeza que és capaz de o fazer.

Abraço

lampejo disse...

Querida amiga Natacha, como sempre com uma palavra amiga.
Beijinhos!

Falamos sim F3lixP.
Admiro a tua coragem e força de vontade.
No Arraial! Acho que não.
Abraço!

Miguel, como nós anda por aí muita pessoa.
Obrigado pela visita.
Abraço!

Tz, tu és dos poucos que me conhece e sabes como me custa dar
o primeiro passo (quando o dou).
Abraço!

pinguim disse...

Ai, Lampejo, Lampejo
às vezes apetece-me dar-te um empurrão...
Gosto de ti e muito; mas, porra, tu também deves gostar!!!!
Se gostares mais de ti, libertas-te e vais ver que as "coisas" acontecem.
Abração.

lampejo disse...

Amigo Pinguim, acho que por vezes não tenho a coragem suficiente, e quando a tive dei-me sempre mal, por varias razões...
Eu não desgosto de mim...
Abração!